sexta-feira, 17 de outubro de 2008

Acordes para te cantar

Eu sei que agora, aqui neste instante, eu imagino uma música tua, com acordes tão profundos como o mar e suas infinitudes. E, sobre a melodia da tua música, eu implanto esta letra que te diz o que eu sinto dia-a-dia, nestes dias que te vejo:

Eu te olho quantas vezes for preciso para descobrir nos mesmos traços as novidades que a geografia do teu corpo desenham. Arabescos que tracejam e misturam o que há.

Há o peito aberto, a palavra clara, o desejo manifesto sem rodeios, os olhos de tamarindo, o coração na boca, a expectativa sempre nova de um estômago de borboletas.

É confuso, mas não obtuso, esse modo de te cantar. E é profuso e intruso o meu ânimo de transpassar os instantes das metades impostas pelas nossas realidades.

Transformar verdades possíveis
em verdades palpáveis,
imensuráveis...

Imagem capturada em http://www.dw-world.de/dw/article/0,2144,1608614,00.html

Um comentário:

Odailso Berté disse...

Não adianta mais. O que eu temia aconteceu. Aconteceu amor. Agora é olhar nos olhos, dizer o que se passa e adentrar nos desejos até o prazer irromper e dizer em bom tom: 'uffaa... to molinho'. Por mais que o sonho despontou dourado, somos humanos e sabemos dos descaminhos que construimos. Portanto, deixa o tom brotar da cor que der na telha. No mais, resta gostar do outro humano e namorar suas delícias e atestar sua dúvida com música, filme, lençol de dois e vontades que não deixam de pedir bis... Na cama, na mesa, no cinema, no telefone, no carro, no blog... No coração que se altera e diz que ama.