sábado, 31 de março de 2012

Depois das 23h


Tenho poucas fichas, mas aposto todas até onde a sua boca me levar... porque depois das 23h, há um cantinho da sua língua que me faz acreditar no mundo.

Imagem capturada aqui.

Abordagens Acadêmicas - A Mona Lisa do Diabo


Em 2002, por ocasião da minha graduação, havia uma matéria chamada “Aspectos sócio-culturais da imagem”. Um dos exercícios propostos pelo professor, na época, foi fazer uma análise semiótica do filme "O Advogado do Diabo".

Das tantas cenas do filme, uma em especial, conseguiu levantar uma discussão acalorada na turma. Nela, a mocinha aparecia nua de braços abertos e, dentro do contexto daquela narrativa, parecia referenciar a tradicional "pose" de Cristo na cruz.

Depois de várias conjecturas e referências a pensadores do naipe de Saussure, Pierce e outros tantos, alguém sugeriu que seria interessante chamar para a roda, uma pessoa que não estivesse a par da discussão que estava rolando para contribuir com a análise.

O guarda da Faculdade Artes Visuais foi eleito e convidado para fazer uma "leitura" da cena estudada e, indagado sobre o que ele via na imagem, colocou a mão no queixo e matutou durante vários minutos sem dizer uma palavra.

Acuado por uma sala inteira de alunos do curso de artes que o observava atentamente, depois de muito pensar, arriscou:

- "É a Mona Lisa?"

Imagem: Cena do filme "O Advogado do Diabo". Olhei aqui.

Abordagens acadêmicas - O balde de caju

O balde que ela trazia na mão estava cheio de cajus do cerrado, a roupa toda colorida não lhe escondia a magreza e o cabelo, preso, era ornamentado por fios brancos. Foi assim que aquela senhora entrou no restaurante e, de súbito, foi abordada por uma jovem estudante de prancheta na mão e caneta em punho:

- Eu sou estudante da universidade, estou fazendo uma pesquisa aqui em Pirenópolis e queria saber se eu posso lhe fazer algumas perguntas para a minha pesquisa.

O olhar daquela senhora se empertigou diante da afobação da moça e de uma talagada só, respondeu:

- Posso não! Tenho que vender "meus" caju.

Na mesa ao lado, eu observava a cena com um tanto de curiosidade. Ainda com o riso escapando pelos meus lábios, ao ver a senhora dar as costas para a estudante, aproveitei para perguntar:

- Dona, quanto é o caju?

De cara, consegui que o interesse daquela senhora se voltasse pra mim. Dito o preço, comprei um litro da fruta e a conversa se desenrolou sem muito esforço sobre os cajueiros que ela cultivava no quintal da própria casa e outras particularidades que talvez seriam o conteúdo almejado para dar conta do questionário que a jovem estudante de prancheta na mão carregava.

Foto: Wolney Fernandes

sexta-feira, 30 de março de 2012

Pequenas Ternuras


"Quem não se envergonha da beleza do pôr-do-sol ou da perfeição de uma concha; quem se desata em riso à visão de uma cascata; quem não se fecha à flor que se abriu de manhã; quem se impressiona com as águas nascentes, com os transatlânticos que passam, com os olhos de animais ferozes; quem se perturba com o crepúsculo; quem visita sozinho os lugares onde já foi feliz ou infeliz; quem de repente liberta os pássaros do viveiro; quem se sente leve perto da pessoa amada e não sabe explicar o motivo; quem julga perceber o "pensamento" do boi e do cavalo; todos eles são presidiários da ternura e, mesmo aparentemente livres como os outros, andarão por toda parte acorrentados, atados aos pequenos amores da grande armadilha terrestre."

[Paulo Mendes Campos]

Imagem: Wolney Fernandes

sexta-feira, 23 de março de 2012

Meio Amores


Vim postar um texto sem saber direito o que escrever. Daí pensei em tantas coisas: nas canções da Nara, nos filmes de Sofia Coppola, nas dores de Frida, nos poemas do Manoel de Barros, nas texturas de Rothko – todas meio amores assim jogados ao mar. Sem entender as razões pelas quais foram escritas, compostas, desenhadas... elas chegam até mim para iluminar meus dias.

Imagem de Mark Rothko. Olhei aqui.

quarta-feira, 21 de março de 2012

No Final das Contas


"Thaise, te escrevo esta carta cheio de emoção porque não posso viver sem você mais. Minha vida acabou depois que te conheci no Goianão. Vou aí só para matar a saudade de você. Sei que não posso fazer isso porque sou casado, tenho três filhas: duas minhas e uma outra que peguei para criar porque meu cunhado morreu. Sei que não vai me dar uma chance, mas fique sabendo que te amo e não vou te esquecer.
Te amo demais e não durmo à noite só pensando em você.
Beijos e abraços de um homem apaixonado.
Até um dia!"

Texto encontrado em um pedaço de papelão jogado pelas ruas da cidade.

segunda-feira, 19 de março de 2012

Sobre enchentes de São José


Choveu a noite toda. Uma chuva que não era forte, mas que também não era uma chuvinha qualquer. Chuva destas que embalam o sono quando o som do telhado e seus respingos fazem a gente puxar a coberta de algodão e dormir rebuçado.

Na manhã seguinte, aquela chuva constante virou chuvisco e a cidade acordou com um som diferente. O ronco surdo das águas podia ser ouvido de qualquer ponto de Lagolândia. Era o rio de águas barrentas que avançava ameaçadoramente em ondas nunca vistas e que faziam aquele movimento que o mar faz na praia. A diferença era que ondas vinham e não voltavam mais. E assim, o Rio do Peixe engolia tudo à sua volta.

Árvores centenárias, vacas e outros animais passavam frente aos olhos dos moradores e moradoras que se amontoavam à beira daquela enchente de proporções inimagináveis. O ano era 1992, o mês era março e o dia era ali bem perto do dia 19. Sei porque alguém sempre lembrava: "É a enchente de São José!".

Logo as casas foram atingidas. Correrias para retirar a mobília e levá-la para um lugar seguro. O tempo era muito pouco. A água parecia ter pressa e, em menos de 40 minutos, atingiu a praça central do vilarejo e construções ali perto. Das casas do lado de baixo só se viam os telhados, inclusive do Salão da Santa Dica. Todos se aglomeraram no lado de cima da praça assistindo a tudo sem ter muito o que fazer. Lembro-me que algumas pessoas conjuravam suas profecias:

- "O mundo vai acabar em água".
- "Se a água chegar no cruzeiro da praça é sinal de que o fim chegou!".
- "Quem quiser se salvar terá que subir para o morro da torre de TV!".

Diante daquela cena dantesca, a surpresa se instaurou entre os presentes quando, frente aos olhos temerosos de todos/as, um jovem passou deitado em sua bóia gigante, fazendo da quadra de esportes sua piscina de água suja. Ali não cabia medo, pois mesmo conduzido pela fúria das águas, ele era só alegria.


Foto: Wolney Fernandes
Citação de Manoel Ferreira

sábado, 17 de março de 2012

Dezessete de março de 2012 - Sábado


O sábado começou mesmo perto das 21 horas quando um passeio no parque se transformou em um piquenique noturno. Sob as estrelas os [re]conhecimentos pareciam habitar a pele feito tatuagem. Iguais a meninos de quintal, brincamos de lembrar as delícias de antes e as misturamos com os sabores de agora.

Na saída, silenciosamente, me veio a consciência que carinho bom é o carinho de agora, aquele que se leva ao cinema e suporta toda a exaustão de um dia de trabalho, que ri do comportamento mais habitual que passaria despercebido em olhares menos atentos, que vem para nos redimir, retornar, remoçar e mostrar o caminho mais curto para a felicidade... daquela que rima com simplicidade.

Imagem capturada aqui.

quarta-feira, 14 de março de 2012

Breve Receita para Levitar


É preciso não esquecer nada: do doce, do ir-se, do dar-se.
É preciso lembrar das vozes, das marcas, das coisas, dos sonhos.
É preciso lembrar de tudo: das dores, das partidas, das distâncias, do que foi dito e ouvido.
É preciso limpar as manchas, as farpas, os cortes.
É preciso guardar-se num canto, numa carta, poema ou estrofe.
E depois, apesar das marcas, abrir a mala das coisas sem nome e flutuar.

Imagem capturada aqui.

terça-feira, 13 de março de 2012

Conselhos


Em um gibi dos anos 60, Charlie Brown dá os seguintes conselhos para que a vida seja melhor: "Não deixa teus crayons no sol, joga a bola bem baixinho e alimenta teu cão duas vezes por dia".

Assistindo ao Poderoso Chefão, ouvi montes de conselhos sensacionais: "Leave the gun, take the cannoli" é o melhor deles.

Um tio avô vivia repetindo sem parar: "se gravou a fita, você vai ter que escutar!"

Ontem alguém me alertou: "Seja sempre você sua prioridade!"

Falar é fácil. Escrever em blog então...


Imagem capturada aqui.

segunda-feira, 12 de março de 2012

Notas íntimas

De tanto bater, meu coração parou nas notas íntimas e começou flutuar.

Foto: Wolney Fernandes

Espera


De frente para a parede eu era rei absoluto daquele império bege. 114 era o número de azulejos daquela sala. Terminei de contar, mas ninguém veio me parabenizar pela proeza. Ningúem conseguiu contar quanto tempo durou aquela espera. Só sei que foi o tempo necessário para perder a conta.

Em minhas divagações, azulejos inauguraram exercícios íntimos de criação.


Imagem capturada aqui.

domingo, 11 de março de 2012

Beginners

Cada cena de Beginners ("Toda Forma de Amor" no Brasil) parece conjugar a máxima de Nietzsche: "na solidão inerente a cada ser humano reside uma tragédia". O filme é composto de pequenas estranhezas, de minúsculos deslocamentes dos esteriótipos de histórias de amor e, por sua perspicácia, parece perguntar a todo momento sobre o quanto a solidão pode ser subestimada.

Oliver (Ewan McGregor) é um designer gráfico de 37 anos que, após quatro relacionamentos fracassados, acredita estar predestinado a passar o resto da vida sozinho, até conhecer Anna (Mélanie Laurent), uma atriz que não cria raízes, físicas e emocionais, como uma forma de autoproteção.


Até aqui, essa sinopse seria a mais comum de todas, não fosse Hal (Christopher Plummer), pai de Oliver, que resolve assumir a homossexualidade aos 75 anos. Após a morte da esposa, ele quer viver intensamente tudo que não pode viver até então: faz amigos gays, vai a baladas, arranja um namorado, junto a tudo isso, aproxima-se do filho em busca da relação que nunca tiveram.

"Eu não quero ser teoricamente gay. Eu quero fazer algo a respeito disso."

Ao misturar passado e presente, o filme mostra como a nova vida do pai vai modificando a melancolia presente no cotidiano do filho e, mesmo que de forma insesperada e extremamente complicada, faz com que ele reconheça sopros de felicidade em sua vida marcada pela tristeza.


É bonito ver as conexões estabelecidas entre a vida de Oliver com fatos que marcaram o mundo e de como ele vai trançando fios entre a história do pai e a sua própria. Não por acaso, o filme me fez lembrar o livro "Dias com meu pai" que mostrei aqui no blog há um tempo atrás.

O gostinho de realidade (o roteiro é baseado na história real de Mike Mills, diretor do filme) faz a gente se identificar com os personagens e, principalmente, fugir do eterno "romance fácil" para trazer perguntas do tipo "Como funciona o amor?" ou "Como fazê-lo dar certo?" sem nunca trazer uma resposta pronta e fácil.

Se os sentimentos são o sujeito de predileção do roteiro, eles não são sentimentos quaisquer. Além disso, Beginners mostra que muito mais que um coração apaixonado, uma relação se sustenta em confiança, segurança e a liberdade de ser quem você é e se sentir confortável em deixar o outro conhecê-lo de verdade.

Imagens: cenas do filme

sexta-feira, 9 de março de 2012

Infinitivos

Rir de mim mesmo.
Ver seriado antigo.
Olhar nos olhos até tremer as pernas.
Escutar a chuva depois de apagar a luz para dormir.
Acordar e descobrir que ainda posso dormir por mais algumas horas.
Receber ligações depois da meia noite que duram duas horas.
Cantarolar letras de música na ponta da língua.
Abrir a janela e dar de cara com a lua.
Brigar quando a vontade pedir.
Tomar água com gás.
Dizer "não" sem me culpar.
Chorar no cinema.
Desenhar no parque.
Gastar tempo com amigos.
Ter alguém mexendo no meu cabelo.
Datilografar cartas de amor.
Sonhar com coisas boas.
Sorrir ao ver o telefone tocar.
Viajar para lugares que nunca fui.
Ouvir música no modo aleatório.

Imagem capturada aqui.

Passagem das Horas*


Penso que valeu a pena ter ignorado o medo algumas vezes: atravessar a ponte que separa o interior da capital, voltar de ônibus pra casa sem saber o próprio endereço, cruzar o Atlântico na primeira viagem de avião, gaguejar na aula de História da Arte, pronunciar um "não" sem saber o som que ele tem...

"Trago dentro do meu coração,
Como num cofre que se não pode fechar de cheio,
Todos os lugares onde estive,
Todos os portos a que cheguei,
Todas as paisagens que vi através de janelas ou vigias,
Ou de tombadilhos, sonhando,
E tudo isso que é tanto, é pouco para o que quero."

[Álvaro de Campos]

Lendo Álvaro de Campos, desenhando e vendo filmes [são tantos], tenho a segurança de me apegar a essas lembranças de olhos fechados, sem receios.

E é esse passado tão presente que me faz tão bem e tão cheio de vontades. Sei que vai parecer frase de autoajuda, mas pronuncio com a autoridade de quem vive beijando incertezas: Já tendo vivido momentos únicos, há a certeza de que eles existem e que sempre voltarão num futuro próximo.

[*] Título retirado do poema de Álvaro de Campos.
Foto: Wolney Fernandes

Prelúdio


Te encontrei 10 dias depois. O peito cheio de gás hélio e as estrelas, risonhas, salpicando o estômago. E naquela noite do dia mais quente do ano, em palavras sussurradas você pronunciou o que eu já sabia desde a primeira vez.

A ansiedade por não ter um endereço para onde enviar cartas cessou. Foi então que percebi o quanto era bom sentir aquela paz silenciosa da vigília do sono alheio.

Imagem capturada aqui.

quarta-feira, 7 de março de 2012

Friday I'm in Love


Na última sexta-feira, pedi aos amigos no facebook que me sugerissem músicas para a manhã daquele dia. Uma playlist bem variada foi construída para embalar os dias da semana inteira.

01. O Leãozinho - Caetano Veloso e Maria Gadú
02. Ainda Bem - Marisa Monte
03. Baile de Ilusão - Céu
04. Let's Groove - Dr. Kucho! vs The Lost Fingers
05. Won't be Long - Aretha Franklin
06. Cara Estranho - Los Hermanos
07. Sonnet - The Verve
08. In The Jungle (The Lion Sleeps Tonight)
09. Mr. Maker - The Kooks
10. Mundaréu de Papel - Luiz Salgado
11. Mapa-Mundi - Thiago Pethit
12. Friday I'm in Love - The Cure
Bônus: U.A - Galinha Preta

Imagem capturada aqui.

A céu aberto


Tenho olhado para o céu mais vezes desde que a quaresma começou. Os roxos penitenciais eu transformei em azuis de mar e cores que só o céu de Goiânia consegue pintar.

Se antes, todas as brincadeiras eram recolhidas em tempos quaresmais, hoje experimento a leveza ofegante de uma pipa que navega sem peso a deslizar a céu aberto. Um pontinho colorido preso somente por um fio na fragilidade perigosa das coisas livres.

Como há tempos desejei, posso abrir os braços longamente, sentir o vento soprar e subir, subir... Tão leve que mal consigo ver o chão.

E na liberdade do vento que sopra, hei de aproveitar um dia de cada vez...

Imagem capturada aqui.