sexta-feira, 30 de novembro de 2012

Doce Novembro


a. A moça do caixa dá aquela risada gostosa sempre que um novo cliente se achega para comprar um sanduíche. Alguém pergunta a razão do riso e ela responde que sorri porque é feliz!

b. Ao sair do elevador ouço o porteiro comentar com a moça da limpeza: "Eu gosto mesmo é da empregada do 1207. Ela é show!"

c. No meio da manifestação, um jovem corre até a calçada para ajudar uma senhora a carregar as sacolas do supermercado.

d. O casal de idosos entra comigo no elevador. Ela pergunta: "que horas são?". Ele responde em tom de brincadeira: "Oração só tem na Igreja". Sem obter a resposta desejada, ela segue caladinha até a porta se abrir e eles ficarem no sétimo andar. Ouço ela reclamar antes da porta se fechar: "Tem coisas que não tem graça em lugares impróprios..."

e. Na ponte da marginal, uma senhora apressada parece não perceber que carrega o sol nas mãos.

Foto: Wolney Fernandes

domingo, 18 de novembro de 2012

Argo


"Argo" tem direção competente de Ben Affleck que [re]constrói uma história verídica de maneira brilhante.

Destaque para a ótima direção de arte que faz a gente ter a sensação de que o filme foi filmado no final dos anos 70. Época em que os iranianos invadiram a embaixada americana revoltados com a influencia dos EUA nos eventos que desencadearam um período difícil no Irã.


Para minha surpresa, o filme foge daquele padrão americano de contar histórias colocando a nação estadunidense como a salvadora de todas as pátrias do planeta. De maneira sincera, os eventos mostrados são desencadeados tendo a vida humana como o bem mais precioso de uma nação.


Mais uma vez a realidade é quem dá as cartas para a ficção, mostrando o quanto a vida real é permeada de boas histórias que já parecem prontas para a tela grande.

Minha única ressalva está no fato do protagonista ainda ser permeado de clichês do gênero. Mas nada que comprometa o bom resultado da narrativa. Vale a pena conferir!

sábado, 17 de novembro de 2012

Dezessete de novembro de 2012 - Sábado


Apesar dos desatinos de ontem é preciso manter a ternura no dia de hoje. Abro os olhos na manhã de sábado e antes que esse pensamento chegue ao fim, minha irritação me abraça. Seis e quinze e a persiana esquecida aberta na noite anterior deixa entrar uma luz que me desperta antes da hora. Maldito horário de verão.

O fato de ter que me arrastar até a janela para fechá-la coloca azedume em minha [in]disposição. Durante a minha expedição até a persiana, o vôo tremulante de uma borboleta que alcançou as alturas do décimo andar tenta manter a doçura do dia.

Consegue!

terça-feira, 6 de novembro de 2012

Dias assim


Acordar na segunda-feira antes do despertador tocar e ter tempo para ouvir as trilhas do Abel Korzeniowski no banho.
Ir para o trabalho e sair de lá sem hora marcada para estar em outro lugar.
Almoçar naquele restaurante de comida caseira ouvindo as músicas mais bonitas, escolhidas a dedo no dia anterior.
Passar na porta do cinema no Centro no exato momento em que a sessão de um filme bom está para começar e ficar para assistir. Comprar pipoca e água com gás sem precisar de enfrentar fila. Entrar na sala e descobrir que a cópia do filme é legendada.
Voltar para casa depois da sessão e, no caminho, encontrar caixas de correio personalizadas para fotografar.
Em casa, depois do banho, adiantar dois trabalhos iniciados e ficar respingando imagens pela internet.
Convesar com amigos que querem saber do seu dia e, por puro desinteresse, ficar trocando pensamentos e conversas desimportantes enquanto o disco preferido toca sem pressa de acabar.
Ter vontade de tomar sorvete de creme e não ter preguiça de sair a pé para comprar.
Voltar sentindo os pingos da chuva que, sem aviso nenhum, começaram a cair.
Ler duas páginas do livro de cabeceira e adormecer em seguida sem fechar a janela do quarto.

Ontem foi assim e meu desejo é que seja assim para sempre.

Foto: Wolney Fernandes