segunda-feira, 17 de maio de 2010

Silêncios Necessários

Imagem: Wolney Fernandes

Depois dos 35

Depois dos 35, olhar pra si mesmo faz abrir chagas mantidas em banho-maria.
Depois dos 35, o coração prefere a leveza da vida sem aquele desatino de sempre.
Depois dos 35, nem sempre a vida é tão leve como o coração prefere.
Depois dos 35, os instantes se mostram em sulcos, brancuras e pressões que o corpo evidencia.
Depois dos 35, partilhar a vida é caminho que se faz entre bordados e espinhos.
Depois dos 35, acordar é um exercício de abandono que evita que se durma para sempre em sonhos de outrora.

Foto: Wolney Fernandes