sábado, 4 de abril de 2009

Fraquezas permanentes

Querida Sofia,

Confesso que pensei em não mais te escrever, mas minha permanência na solidão atordoada de sábado a noite me fez querer desfiar a trama destes dias difíceis. O outono trouxe um clima mais ameno e mesmo as noites chegando mais cedo, passo por elas sem conseguir me acalmar diante desse mar de fatalidades que me encontro. A morte prematura de um amigo, a falta de dinheiro, as tentativas frustradas de emprego, os sonhos novamente adiados, as saudades tatuadas na pele... É tanta realidade que minha vocação para Dom Quixote tem se esvaido nas brechas inexoráveis da razão.

Da janela do décimo andar, olho ao meu redor e tenho a sensação de que, na vida, estou andando em círculos, pois sempre venho parar no mesmo lugar. Quisera eu conseguir a estranha felicidade de avançar! Mas pareço não ter forças para me mover naquele movimento espiralado que eu tanto vislumbro. Fico aqui repetindo a mesma pergunta: Em que ponto do caminho eu me perdi? Haverá redenção para um sonhador que se perde em fraquezas permanentes?

Tenho raiva! Não de você, mas de mim mesmo, por sempre repetir os mesmos erros sem conseguir aprender com nenhum deles. E pareço gostar da melancolia, pois sempre me permito a ela me lançar sem medo. Daí eu sonho, sofro, choro, mas finjo que nada acontece. Sigo naquela brandura que o "tudo bem!" espalha em conversas reais e virtuais. Prometo ficar no meu canto com meus desenhos, uma vez que eles têm sido minha salvação. Me embrenho pelas cores e texturas e os traçados vão me livrando da incontrolável vontade de emudecer, escurecer e fenecer numa espécie de auto flagelação.

Prometo não escrever mais, mas sei que acabo por não cumprir a promessa. No fim das contas e dos contos, minhas imperfeições insistem em se sobrepor aos encantamentos.

Estou cansado! Quero colo para acordar e, assim, conseguir dormir.
Beijos comedidos.

Wolney

Imagem: Wolney Fernandes

2 comentários:

Anônimo disse...

só posso dizer que entendo perfeitamente este seu estado de espírito... sempre conte comigo! bjos da sua amiga de hj e sempre. gard.

Anônimo disse...

ler você ta ajudando a ameniza a dor e saudade do Rony...