sábado, 2 de maio de 2009

Emendar pontas soltas

Dois de maio de 2009. Os dois nós da pulseira que coloco no pulso selam esse gesto sacramental que me faz olhar adiante. Paradoxalmente o que eu preciso agora é voltar ao estado da paixão. Emendar as pontas soltas em nós que firmem todos os aspectos que compõem minha vida e me apaixonar. Reinventar uma maneira de seguir em frente desafiado, sem temor, apenas com a vontade de chegar ao outro lado.

Tenho necessidade de tirar os pés do chão vez em quando. Olhar de frente para o que não conheço e cumprimentar – muito prazer! Mas esqueço dos tropeços da Alice e saio correndo a cada passo largo do coelho. Eu até quero a vertigem. Mas ainda sonho com uma vida mais calma, sem tantas máscaras diárias e sofrimentos desnecessários. Não suporto mais acordar com raiva de mim.

Já não gosto mais de ficar esperando o próximo trem. Nem posso me dar ao luxo de mergulhar em poços sem luz. Preciso voltar a ter foco. A acreditar em mim, sem necessariamente ancorar meus navios em portos alheios. Estou farto das minhas fraquezas. Farto das minhas muitas palavras e minhas poucas ações!

Foto: Wolney Fernandes

Um comentário:

Anônimo disse...

Meu amor,a vida passa num instante
E um instante é muito pouco pra sonhar.