terça-feira, 1 de setembro de 2009

Reviravolta?

Anestesiado, estava ali novamente dando voltas em torno de mim mesmo. Foi uma tarde atípica de agosto quando, no retorno para casa, minhas vontades não estavam no mesmo lugar. Vazio, dirigi feito um homem velho com rosto vincado e cansado pelo peso de meu próprio tempo. Entrei na sala escura do cinema blasfemando contra minha incapacidade de reação. Quando dei por mim o filme estava pela metade e meu estômago clamava pela luz do banheiro de branca assepcia. Saí com aquela angústia que inviabilizava a completude da volta pra casa e, ao me olhar no espelho, deixei que as ardências do tempo me dessem respostas para tapar o vazio em mim. Se a volta não se completa, o que eu espero para dar uma reviravolta?

Imagem: Detalhe da obra "número 8" de Jackson Pollock