domingo, 1 de novembro de 2009

Cubismos matutinos

Querida Sofia!

Hoje acordei pensando em limites. Em como esse blog é uma grande fantasia inventada para me caber. Odeio quanto acordo e ainda é o dia anterior. Já sentiu essa sensação? Acordar cedo e perceber que o ontem permanece em seu olhos avermelhados, com inchaços que cabem todos os afazeres do dia que se foi?

Em manhãs assim, só consigo enxergar meus cubismos diante do espelho. Sempre soube que imperfeições me atraem, mas sei também que as assimetrias, além de compor meu ideal de beleza, estão sempre expostas quando me vejo refletido ou retratado.

Tenho medo porque a sensação é que através daquele reflexo a imagem de quem sou se revela em sua totalidade. Um Dorian Gray refletido às avessas. Até gosto quando sinto medos revirando meu âmago, mas não é fácil lidar com uma dor de barriga que vira dor de alma.

Pra acalmar, desvio os olhos, sento diante do computador e escrevo. E logo eu, que seria capaz de demorar uma vida inteira no olhar.

Você já sabe todo o resto.
Beijos Picassianos!
Wolney

Imagem: Detalhe da obra "Moça diante do Espelho" de Pablo Picasso.

Nenhum comentário: