quinta-feira, 14 de janeiro de 2010

Pilatos pós-gripe suína

Segunda-feira. A última de 2009. Olhei desoladamente para a enorme fila em curvas que se desenhava à minha frente. No início dela, apenas um caixa parecia se divertir por ser o único atendente do banco naquela manhã. Respirei fundo e me posicionei no final, já arrependido por não ter comigo meu iPod ou sequer uma revista para ler.

Alguns poucos passos depois e já perdido em pensamentos variados ouvi uma voz se destacar no burburinho da fila para questionar: "Você sabia que para Jesus não existe esse negócio de tecnologia, né?" - Localizei, com meu olhar, o interlocutor da questão. Era um homem baixo, todo engomadinho, perto dos 50 anos que, em tom de discurso, voltou a perguntar ao seu companheiro de fila: "Você sabe, não sabe? Pra Jesus não existe tecnologia."

O moço que estava ao lado, arregalou os olhos, mas não se pronunciou a respeito da pergunta dirigida a ele. Talvez temesse que uma simples resposta desencadeasse um falatório sem fim acerca das habilidades tecnológicas de Jesus. Aproveitando o silêncio que se instaurou no ambiente, o "grande questionador" fez de sua pergunta uma afirmação, desta vez se dirigindo a todos da fila: "Vocês sabem que para Jesus não existe esse negócio de tecnologia e...".

Exatamente no ponto em que a afirmação iria se desenvolver, uma mulher intercedeu por todos que estavam ali, dizendo em alto e bom tom:

"Moço! Faça-me o favor! Hoje é segunda-feira, estou há duas horas nessa fila que não anda, só tem um caixa pra fazer todo o atendimento, está um calor danado aqui dentro e não estou nem um pouco afim de ouvir pregação. Então o senhor, por favor, me poupe do sermão."

Novo silêncio se fez na fila, mas dava para ver a expressão aliviada no rosto da maioria das pessoas. Olhei novamente para o homem que iniciou aquele evento, esperando uma resposta dele para nossa salvadora, mas ele nada pronunciou.

De repente, como se qualquer palavra fosse muito pouco para dar conta de sua indignação, o referido homem saiu da fila, foi até o balcão do caixa onde havia um pequeno recipiente com álcool gel e colocou um pouco em suas mãos. Esfregando uma mão na outra em um gesto quase ofensivo ele se virou para todos da fila e olhando todos de forma desafiadora disse sem pronunciar uma só palavra: "Eu lavo minhas mãos!"

Olhando para aquele 'Pilatos pós-gripe suína', sorri disfarçadamente enquanto a fila voltava ao seu estado tedioso de antes.

Imagem capturada em http://bastianocuntrari.blogspot.com/2009/06/come-ponzio-pilato.html

Nenhum comentário: