domingo, 21 de março de 2010

Tardes de domingo

Queria instaurar nessas linhas uma maneira de não me repetir. Mas não consigo e volto sempre aos mesmos traços e cores para rabiscar pelo corpo. Protegido pelas cores, já não importa meus gritos e fragilidadades silenciosas de sempre. Tenho andado sozinho por aí sem propósito algum tentando sair de mim, mas não consigo. Nada mais doloroso do que a realidade, esse monstro de circustâncias que agride sonhos, preguiças e separa os amantes impondo solidões em tardes de domingo.

Imagem: Wolney Fernandes

3 comentários:

Lari'Lissa Aisha disse...

essa solidão dos domingos... deixa tudo com som de cigarras, de forma insuportavel a gnt se acostuma... e perde ou ganha do silencio... lições, dessas duidas.

Sejana de Pina Jayme disse...

ai, ai...
você é um querido

Valmir disse...

As vezes as tardes de domingo são assim porque escolhemos demais.
Ou seja, pode ser uma opção.