terça-feira, 1 de junho de 2010

Dos silêncios que me acordam

Sem sutilezas, o mês de junho me acorda dos silêncios. Reviro minhas fragilidades buscando desmanchar minha vida inventada e me espanto com tantas fachadas a ruir.

Me assombro quando percebo esse vazio sem nome no meu entorno.

Uma janela sem cortina faz escorrer luz pelo meu corpo e me coloco de pé sem aquela vontade de continuar só com minhas sombras e fantasmas. Minha urgência é desenhar, nas pálpebras do papel, imagens que revelam todas as pontes entre o desejo de mudança e a mudança em si.

Foto: Wolney Fernandes

Nenhum comentário: