segunda-feira, 5 de julho de 2010

Minha poética para as construções

Materiais que se unem e se elevam numa atitude de domínio pela área que abrigam. A harmonia de uma construção é constituída pelo desenho formado por um emaranhado de linhas que se misturam.

Linhas da madeira, do concreto e dos ferros moldados à custa de marteladas, prensas, torções e pelo corte das barras rígidas que se convertem em uma estrutura sólida para perpetuar uma idéia e um espaço.

Horizontais ou verticais, oblíquas ou perpendiculares se apresentam como a coluna dorsal de espaços que podem abrigar a simplicidade e a suntuosidade; a agitação e a solidão; o sagrado e o profano.

Linhas que partem de uma universalidade que pode ser controlada, bastando apenas que lhe dêem uma nova direção, um novo ritmo e uma nova linguagem, despertando nelas a vocação para o modesto ou para o sublime.

Texto e imagens elaboradas em outubro de 2000, fruto da justificativa para um trabalho cujo tema era "Construções".

Nenhum comentário: