quinta-feira, 17 de fevereiro de 2011

[com]pressões

De vez em quando o que guardo aqui dentro, transborda. Sou eu mesmo pedindo passagem para vomitar raivas e frustrações engolidas e remoídas pelo "foda-se" não dito.
De vez em quando esqueço que a tristeza é parte da brincadeira.
De vez em quando acredito que amores possam surgir da coragem de me apresentar por minhas falhas, feridas e imperfeições.
De vez em quando, pelas [com]pressões, prefiro habitar o solo lunar para frequentar o lado escuro da lua nova.
De vez em quando quero mais fazer bom uso da imagem do que ser usado por ela.
De vez em quando rezo, como sugeriu Rilke, para que a beleza me permita contemplar o horrível, sem ser por ele destruído.

Imagem: Fotografia de Carl Kleiner

3 comentários:

Agno disse...

bom texto, amigo...um erro de digitação: "de vem em quando" no lugar de "de veZ em quando" abraço

Wolney Fernandes disse...

Erro corrigido! Obrigado pelo comentário e pela dica!

suzanne disse...

caro Wolnwy,
gostei muito da maneira como escreve: simples, inteligente e envolvente.
abraço