sábado, 17 de novembro de 2012

Dezessete de novembro de 2012 - Sábado


Apesar dos desatinos de ontem é preciso manter a ternura no dia de hoje. Abro os olhos na manhã de sábado e antes que esse pensamento chegue ao fim, minha irritação me abraça. Seis e quinze e a persiana esquecida aberta na noite anterior deixa entrar uma luz que me desperta antes da hora. Maldito horário de verão.

O fato de ter que me arrastar até a janela para fechá-la coloca azedume em minha [in]disposição. Durante a minha expedição até a persiana, o vôo tremulante de uma borboleta que alcançou as alturas do décimo andar tenta manter a doçura do dia.

Consegue!

Nenhum comentário: