quarta-feira, 27 de março de 2013

Quase todos os medos


Quase todos os medos que não tem nome. Medo de esquecer o discurso em casa, medo de não saber a coreografia na hora em que todo mundo tem que dançar junto. Medo do dia da foto da escola, medo de brinquedos que se mexem sozinhos, medo de andar descalço.

Medo de errar e persistir no erro. Medo de não ter coragem de desistir quando necessário. E, principalmente, medo de ser sempre apenas uma promessa, de viver um eterno quase, um imutável "ainda não".

Foto: Wolney Fernandes

Um comentário:

Chico Santinho disse...

Medo de ter medo, medo de chegar lá e perceber que não valeu a pena, ou que podia ter feito mais, ou simplesmente ter feito do seu jeito.