quinta-feira, 7 de agosto de 2008

Desenredo



Às vezes uma canção (ou uma imagem ou um texto) parece habitar no espaço entre a carne e a pele, ressoando no silêncio que precede o sono cansado - e por lá permanece.

Como um fantasma, ela te persegue pelas ruas até onde não deveria chegar, até onde a influência não deveria existir. E não existe o que possa exorcizar essa presença, não há poder no mundo que possa fazer com que a pessoa retorne ao que era.

Como um feitiço, quando se entra nesse círculo não se sai nunca mais. Você entra de livre e espontânea vontade, sabendo que vai ser aprisionado e ainda assim feliz por cometer tal loucura - cada vez que coloca os fones de ouvido e aperta o play do aparelho pela enésima vez.

Nenhum comentário: