quinta-feira, 7 de agosto de 2008

Por trás de um Cartaz

O cartaz da Campanha da Fraternidade 2008 talvez seja um dos muitos casos de uma imagem que esconde em sua concepção/discurso várias questões relevantes que só aparecem depois de um olhar mais atento. Ou seja, a maioria das pessoas, embora não dispostas a dar esse segundo olhar, assimilarão inconscientemente as idéias por trás da beleza plástica da imagem. Ao observá-la, nosso coração se encherá de ternura ao ver o bom velhinho segurando complacentemente a criança de colo. Entendida assim, viveremos os três: eu, imagem e coração, felizes para sempre!

No site onde pesquisei a explicação dada pelos autores da peça gráfica, um anônimo fez o seguinte comentário acerca do cartaz: "Também é posível 'mergulhar' numa realidade através de escritas, testemunhos, mas, é sobretudo, pela IMAGEM, que retrata a realidade tal como ela é, que esse "mergulho" tem sua eficácia.

Minha intenção com este post é convidar o anônimo do comentário acima e você para um mergulho em algumas das questões escondidas por trás desta IMAGEM.

Vejamos:
O lema da campanha 2008, retirado do livro do Deuteronômio: "Escolhe pois a Vida", sugere, segundo meu pensar teológico-cristão, muitas opções e não somente duas. Explico: Não há apenas um caminho da vida e um caminho da morte. Há entre eles, uma gama de direções possíveis e em todas elas, possibilidades de variações entre o que pode ser o certo e o que pode ser o errado. A grande sacada é poder fazer estas escolhas zelando para que o colorido de nossa existência tenha mais cores claras do que escuras.

Dessa forma, mostrar só dois lados é simplificar todo o gradiente que está entre um ponto e outro. As duas imagens apresentadas ressaltam essa concepção dicotômica e reducionista. Ora, se existe só a vida e a morte, então qual dos dois personagens do cartaz será associado à representação da morte? O idoso ou o recém-nascido?

Um jogo de associações fica bem claro pra mim, à partir deste simples questionamento:

Idoso = morte
criança = vida

Idoso negro = morte
criança branca = vida

Idoso negro que serve/cuida = margem
Criança branca que precisa ser cuidada/servida = centro

E olha que, até aqui, nem mencionei que esse "Cuidado com a Vida" pode ser lido, por muitos, apenas como uma única palavra: "ABORTO".

É necessário reconfigurar um novo olhar sobre estes discursos dualistas para compreender a mobilidade existente nestes sistemas formais que, utilizando de um discurso supostamente libertário está, na verdade, incutindo no povo, um ideário de opressão. Coisas desta Igreja-Instituição!

P.S.: Para quem quiser ler a explicação oficial dos criadores do cartaz, clique aqui.

Nenhum comentário: