segunda-feira, 29 de junho de 2009

Atribuições para um currículo sem fins profissionais

Desenho com lápis 6B, escrevo cartas e pequenas notas em post-it ou por e-mail. Lido com as texturas, cores, volumes e sentidos das imagens, seja no imaginário, na memória, seja no papel, na tela do um computador, projetadas na retina.

Faço vitaminas coloridas. Sei fazer docinho de leite ninho e lavo louça com alegria e propriedade.

Sei dançar, invento coreografias desengonçadas, sem muito compromisso, mas muita responsabilidade com a alegria, com o suor, com o que há de ritualístico na dança. Forjo meu corpo e sou capaz de passar por bom dançarino em diversas situações.

Sei dizer dos filmes em cartaz e carrego comigo uma coleção deles. Todo dia bato ponto em banca de revista e caminho perdido em canções de bolso.

Beijo e me permito. E do beijo, vem o prosseguimento. Sei permitir as paixões através do corpo. Os carinhos na trajetória do desejo, torta, tonta, sedenta. Ao prazer, o sentimento pede plenitude.

Sou do interior, goiano, às vezes meio chato, as vezes meio tímido. Trabalho em finais de semana (não todos, porque preciso não-fazer-nada de vez em quando).

Imagem capturada em http://www.pcsilva.eu/curriculum-vitae/

2 comentários:

Naira disse...

É verdade! Lembro do Wolney dançando forró todo empolgado dentro da barraquinha (de cachorro quente? milho? pipoca?) numa festa junina promovida pela igreja 9 anos atrás.

Docinho de Leite Ninho, é? Eu quero!

Edvaldo Pontes disse...

Pra mim isso não é um post ...
É o roteiro de um curta.
Super rolou um filme lendo esse post.

Campanha: WOLNEY faz um curta.