quarta-feira, 14 de março de 2012

Breve Receita para Levitar


É preciso não esquecer nada: do doce, do ir-se, do dar-se.
É preciso lembrar das vozes, das marcas, das coisas, dos sonhos.
É preciso lembrar de tudo: das dores, das partidas, das distâncias, do que foi dito e ouvido.
É preciso limpar as manchas, as farpas, os cortes.
É preciso guardar-se num canto, numa carta, poema ou estrofe.
E depois, apesar das marcas, abrir a mala das coisas sem nome e flutuar.

Imagem capturada aqui.

Um comentário:

Lili disse...

Eu não esqueço, eu me lembro, eu limpo, eu me guardo, mas ainda não sei ser leve. Então eu voo, em sonho :-)