sábado, 2 de junho de 2012

Outras ternuras


Fevereiro ficou lá atrás e junho se achega sem nenhum pudor. De lagartixar no parque, de enfrentar a madrugada nebulosa para matar saudades, de trocar videoemotions impregnados de leveza, de fazer incêndios incontroláveis entre quatro paredes, de desmaiar de sono diante do outro, de saber-se diferente quando em tudo se assemelha.

Desfaço-me, assim, em outras mil ternuras. Fico aqui mastigando o perfume que deveria existir na ausência. Noite cai e penso que deveria estar com você por entre os dedos. Exasperação de querer o amanhã já logo para afagar, para saber sobre o dia e descobrir geografias íntimas na ponta dos dedos. Desabar sem nenhum pudor e dormir no silêncio do sono compartilhado.

P.S.: Há muito não era assim. E que bom que assim está sendo.

Imagem: Wolney Fernandes

Um comentário:

Cláudia Bastos disse...

Humm, post com cara de romance... Cláudia Bastos