segunda-feira, 6 de outubro de 2014

Morto de Fome


O Café da Tia Nair é um dos lugares que eu mais frequento aqui no centro de Goiânia. Além de um bolo de laranja primoroso, o lugar é agradável e a dona é a simpatia em pessoa. Costuma puxar papo para saber se o suco está gostoso, para avisar quando o pão de queijo acabou de sair do forno e outras delicadezas do tipo.

Faminto, nesse final de tarde de segunda, cheguei no café para esperar um amiga e pedi o costumeiro bolo de laranja que, para mim, é a prata da casa.

Não demorou até a dona começar a circular pelas mesas muito sorridente e atenciosa. Na mesa, bem ao lado da minha, ela explicou para duas moças que estava feliz porque o Aécio tinha garantido sua vaga no segundo turno e que, finalmente, o Brasil iria sair da lama na qual se encontra!

Nesse ponto, engoli seco, mas o pior ainda estava por vir. Sorrindo após a adesão das moças ao seu comentário ela complementou: "Essa Dilma que vá morar em Cuba. E que leve junto o Lula e todos os mortos de fome desse país."

O bolo de laranja se fez amargo na minha boca diante do comentário carregado de preconceito. Como bem alertou o Afonso Medeiros em uma postagem no facebook: "No único momento em que se discute política no país (bem ou mal, mas se discute), muitos não sentem nem vergonha de expor seus mais íntimos e recalcados preconceitos".

Minha tristeza diante daquela cena se prolongou e, agora, beira um medo profundo. Nesses dias, em meio a tantas desumanidades só me resta a certeza de que não volto mais ali. Mal sabe a dona do comentário (ou talvez até saiba, sim!) que eu, ali, comendo aquele bolo de laranja também era um morto de fome que ela queria ver bem longe.

Imagem capturada aqui.

Um comentário:

Luisa Dias disse...

O lado bom dessas ocasiões é que as pessoas, mesmo com a máscara do comércio ou qualquer outra que se usa no dia a dia, se revelam e, nós, podemos conhecer o outro em sua essência: amarga, intragável e preconceituosa. Tão faminta do amor ao próximo, da solidariedade e da compreensão, que sobram em suas palavras. Beijo meu!