sexta-feira, 17 de outubro de 2014

Pit Stop



Apressado, o moço que leva o carrinho parece ignorar o aviso de parada estendido em letras garrafais na parede ao lado. Não fosse o vento, tão raro por estas bandas nos últimos dias, ele seguiria sem aprender nada com a brisa.

Eu, de dentro do carro, aprendo [de novo!] que a vida só acontece [de verdade] nas pausas.

Não quero que o vento me faça parar. O que eu quero mesmo é que o vento me encontre parado para que, incansavelmente, eu possa aproveitá-lo.

Fotos: Wolney Fernandes

Nenhum comentário: