quinta-feira, 5 de fevereiro de 2015

Saudade


A morte obriga-nos a crescer, assim, de repente. Para os que continuam vivos, a morte também tem algo de definitivo porque há de se aprender a viver de novo. Como se nos pedissem para fingir que não sabemos fazer contas complicadas, falar inglês, escrever palavras como "exceção" ou "telúrico" e tudo o que fomos aprendendo pelo caminho.

A morte pede-nos para fingir porque só assim a vida pode continuar suportável. A morte lembra-nos todos os dias que a nossa infância não mais será o que foi, seja qual for a nossa idade. E ainda nos pede para termos muito cuidado com a palavra "saudade".

Imagem: detalhe da obra "Saudade" de Almeida Júnior 

Nenhum comentário: