quarta-feira, 5 de janeiro de 2011

O que me escapa pelas bordas

Há um clipe da Banda Paramore que me faz querer aquele movimento feito pela vocalista do grupo estadunidense na música "The Only Exception". Em um determinado ponto, quase no final da narrativa, um retorno ao começo é capaz de mudar as consequências de um ato praticado lá no início.

Assustado, é frequente minha vontade de poder voltar aos começos e reescrevê-los. Não tenho pouso para o medo de que as consequências de meus atos marquem, de forma negativa, àqueles/as que de mim se aproximam. Feito desenho que se constrói entre tantas tentativas de se riscar no lugar certo eu queria poder fazer de outro jeito, dizer com outras palavras, olhar de outro lugar.

Infelizmente, linha traçada, mesmo depois de apagada, deixa sulcos [in]visíveis. Se voltar não é possível, resta seguir adiante tentando controlar aquilo que me escapa pelas bordas.

"Maybe I know somewhere deep in my soul
That love never lasts
And we've got to find other ways
To make it alone or keep a straight face."

Imagem capturada aqui.

Nenhum comentário: