domingo, 11 de março de 2012

Beginners

Cada cena de Beginners ("Toda Forma de Amor" no Brasil) parece conjugar a máxima de Nietzsche: "na solidão inerente a cada ser humano reside uma tragédia". O filme é composto de pequenas estranhezas, de minúsculos deslocamentes dos esteriótipos de histórias de amor e, por sua perspicácia, parece perguntar a todo momento sobre o quanto a solidão pode ser subestimada.

Oliver (Ewan McGregor) é um designer gráfico de 37 anos que, após quatro relacionamentos fracassados, acredita estar predestinado a passar o resto da vida sozinho, até conhecer Anna (Mélanie Laurent), uma atriz que não cria raízes, físicas e emocionais, como uma forma de autoproteção.


Até aqui, essa sinopse seria a mais comum de todas, não fosse Hal (Christopher Plummer), pai de Oliver, que resolve assumir a homossexualidade aos 75 anos. Após a morte da esposa, ele quer viver intensamente tudo que não pode viver até então: faz amigos gays, vai a baladas, arranja um namorado, junto a tudo isso, aproxima-se do filho em busca da relação que nunca tiveram.

"Eu não quero ser teoricamente gay. Eu quero fazer algo a respeito disso."

Ao misturar passado e presente, o filme mostra como a nova vida do pai vai modificando a melancolia presente no cotidiano do filho e, mesmo que de forma insesperada e extremamente complicada, faz com que ele reconheça sopros de felicidade em sua vida marcada pela tristeza.


É bonito ver as conexões estabelecidas entre a vida de Oliver com fatos que marcaram o mundo e de como ele vai trançando fios entre a história do pai e a sua própria. Não por acaso, o filme me fez lembrar o livro "Dias com meu pai" que mostrei aqui no blog há um tempo atrás.

O gostinho de realidade (o roteiro é baseado na história real de Mike Mills, diretor do filme) faz a gente se identificar com os personagens e, principalmente, fugir do eterno "romance fácil" para trazer perguntas do tipo "Como funciona o amor?" ou "Como fazê-lo dar certo?" sem nunca trazer uma resposta pronta e fácil.

Se os sentimentos são o sujeito de predileção do roteiro, eles não são sentimentos quaisquer. Além disso, Beginners mostra que muito mais que um coração apaixonado, uma relação se sustenta em confiança, segurança e a liberdade de ser quem você é e se sentir confortável em deixar o outro conhecê-lo de verdade.

Imagens: cenas do filme

Um comentário:

Anônimo disse...

Quando eu leio suas resenhas sobre filmes fico com uma vontade imensa de assisti-los. Você me dá sempre uma outra opção sobre como olhá-los... Obrigada por existir, você é tudo de bom. Beijos, Cláu