quinta-feira, 27 de dezembro de 2012

As Aventuras de Pi


No meio do oceano em um barco à deriva, a convivência entre um jovem e um tigre desfia uma série de questionamentos sobre a natureza das duas criaturas e sobre o papel da fé na sobrevivência humana. É assim que o filme "As Aventuras de Pi" se apresenta. Corajoso do ponto de vista narrativo, o enredo poderia descambar ladeira abaixo em direções enfadonhas e cansativas não fosse a maestria do diretor Ang Lee que concebe o filme não como uma aventura, mas como uma narrativa de memórias carregadas pelas tintas do afeto e da imaginação.

As imagens incríveis e metafóricas que cercam essa história conseguem dançar no mesmo compasso das questões que fazem um sem-número de significados saltarem da tela direto para o nosso colo. Tocando no terreno movediço e sagrado dos dogmas religiosos, Pi, um menino indiano, vai plantando em nós, perguntas e afirmações que conseguem tirar o sossego:

"Nenhum de nós conhece Deus até que alguém nos apresente a um d'Eles."

"Religião é escuridão."

"A fé é uma sala com muitos quartos e há dúvida em todos eles."

Movido, ora pela razão incentivada pelo pai, ora pela religiosidade enaltecida pela mãe, Pi consegue transitar entre o hinduísmo, o cristianismo e o judaísmo sem que nenhuma dessas religiões funcione como amarra que o impeça de questionar o mundo e o sentido da vida.

"Se aconteceu, aconteceu! Nem tudo precisa de significado."

"Talvez a vida seja um processo de abrir mão daquilo que amamos."

Depois de acompanhar as peripécias de sobrevivência de Pi e do tigre Richard Parker, cabe a nós, espectadores, decidirmos se aceitamos o que nos foi contado ou não. Dessa forma, o filme não se fecha,  pelo contrário, abre-se em direções variadas reforçando a noção de liberdade que deveria permear nossas escolhas. Mesmo aquelas que, na maioria das vezes, nos são impostas pela família, pela Igreja ou pela cultura. Afinal, embora nos falte coragem para admitir, a liberdade no filme, assim como na vida, é o que desenha os contornos da palavra sobrevivência.

Nenhum comentário: